Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Pill of Words

Blog não sujeito a receita médica.

Pill of Words

Blog não sujeito a receita médica.

No fio da navalha

 

Um bordado feito à mão: molde de barro

Um rosto vazio num corpo dormente

A luz da manhã e o travo do cigarro

A nicotina e o seu poder repelente;

Andas à solta e em vão

Pelas escadas e pelas esquinas

Houvesse no parapeito um corrimão

E no cinzeiro: benzodiazepinas;

 

O fim é o fio da navalha…

Morreste-me de vertigens!

Foste tanto que agora não és nada

Jazem em mim as tuas origens;

Estava perto e era tão certo

Este fumo já sem fogo,

Foste tu o meu eu secreto

Por quem fugi e agora corro;

Calas o sonho, abafas o grito

E é quando eu te olho

Que vejo o infinito,

Como o sopro de ar da neblina

Que um dia te arrastou para aquela esquina…

Vidas desfeitas, preces cumpridas

Regras quebradas, crianças esbaforidas

E a rua sempre a rua e a pernoita:

O crime que todos veem e ninguém nota

 

13 comentários

Comentar post