Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Pill of Words

Blog não sujeito a receita médica.

Pill of Words

Blog não sujeito a receita médica.

Resumo da semana

 

Regressar à rotina pode ser um verdadeiro desafio, sobretudo quando nos envolvemos em diferentes projetos.

No início de setembro ouvimos falar de uma espécie de depressão pós-férias: aquela semana dolorosa em que voltamos ao trabalho ainda a meio gás. Surgem por aqui e por ali dicas preciosas que prometem ser a chave para retomarmos a nossa vida sem grandes constrangimentos ou conflitos interiores, mas, na verdade, cabe exclusivamente a cada pessoa gerir o seu tempo em função dos seus afazeres, bem como, controlar o seu estado emocional.

No meu caso, como estudante, há cerca de três semanas que o meu dia-a-dia voltou a ser gerido em função da faculdade. Todavia, esta última foi, sem dúvida, a mais desafiante. Foram cinco dias passados com poucas horas de sono e na companhia de algumas chávenas de café: algo que já se tornou indispensável na minha vida.

 

Entretanto, decidi inscrever-me num curso cujas sessões decorrerão duas vezes por semana até ao final de novembro. Participei numa conferência, fui preparando as minhas aulas, as minhas refeições e pelo caminho ainda surgiram alguns contratempos a nível pessoal que motivaram a minha ausência aqui no blog.

Desde que se iniciou o novo ano letivo tenho publicado quatro vezes por semana e isso é algo que pretendo continuar a fazer porque acredito veementemente que o grande segredo está na capacidade de gerir o tempo e na força de vontade.

Este cantinho proporciona-me paz e equilibra a minha balança. Tudo o resto acaba por convergir nestas palavras que retratam aquilo que sou, o que faço e a forma como estou na vida. E é por isso que, mesmo sem regras ou prazos a cumprir, desejo continuar a fazer dele o meu porto seguro, o lugar para onde posso voltar ao fim do dia, o sítio que me dá espaço para pensar e refletir.

No decorrer de uma das sessões do curso desta semana, o orador disse-nos para não termos medo. Talvez o nosso futuro passe por uma oportunidade no estrangeiro ou por uma carreira à margem do mestrado em que estamos a investir.

Não é fácil ouvir algo assim, tão pouco quando nos são apresentados dados que comprovam o mísero crescimento de Portugal face aos restantes países. Todavia, aquelas palavras tiveram um alcance muito maior para mim porque as extrapolei para toda a vida e não só para a progressão da minha futura carreira.

Na verdade, ele tem razão! Não podemos ter medo de ser quem somos e de perspetivar aquilo que queremos vir a ser. É preciso arriscar e sair da nossa zona de conforto porque, só quando o fizermos, nos descobriremos verdadeiramente. E, por mais que isso me custe, estou a tentar dar alguns passos que, embora pequeninos, me conduzirão a esse grande objetivo de me desafiar todos os dias. De ser feliz! Quero muito partilhá-los convosco. Por mais difícil que seja conciliar tudo aquilo que está à nossa volta e sentirmo-nos realizados em todas as vertentes, é esta ambição que nos mostra como estamos vivos e como tudo isto sabe bem!

É essa a mensagem que vos quero deixar. Estejam atentos ao blog e façam dele o vosso refúgio também.

Beijinhos.

 

11 comentários

Comentar post