Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Pill of Words

Blog não sujeito a receita médica.

Pill of Words

Blog não sujeito a receita médica.

Venham daí essas uvas passas!

 

Nos últimos dias, as redes sociais em geral e a blogosfera em particular têm sido inundados pelos típicos "balanços do ano".

Sobre 2017, que hoje termina, escrevem-se as mais diversas publicações quer sobre as figuras do ano, os acontecimentos do ano ou mesmo os divórcios do ano. Na verdade, parece que todas as temáticas, mesmo as mais inusitadas, servem como um bom clickbait, numa altura em que surge também na vida da maioria dos astrólogos uma nova oportunidade de expansão das suas carreiras.

Hoje, no último dia do ano, também eu faço a minha retrospetiva, penso no que fiz em cada mês, no que conquistei e no tanto que ainda tenho para melhorar. Todavia, não reflito apenas hoje porque as minhas ambições não se regem pelas doze badaladas ou por mais uma volta completa da Terra em torno do Sol.

 

Lançamento da Semana #11

Captura de ecrã total 24122017 121303.bmp.jpg

Escolhas o caminho que escolheres, procura por mim mesmo quando te perderes.

 

Ontem, durante a gala final do talent show The Voice Portugal, os Amor Electro apresentaram, pela primeira vez, a sua mais recente composição ao público.

A atuação arrepiou-me do início ao fim e até o pequeno acidente que a Marisa Liz sofreu contribuiu para a performance magnífica da sua banda.

 

 

Isto do Natal

 

Quando pensamos no Natal viajamos para um lugar bem diferente.

Geralmente, esta é uma quadra que representa algo muito especial para cada um de nós: uma mistura de sentimentos únicos e um conjunto de valores que assumem proporções distintas, consoante a personalidade de quem os experiencia.

À medida que os anos vão passando, o próprio conceito vai sofrendo alterações, como uma mutação em resposta ao nosso desenvolvimento intelectual. Desmistificam-se inúmeras crenças e a importância de alguns costumes é questionada, até que aquilo que assumia particular relevância passa a ser algo insignificante.

 

 

No dia em que decidi parar o tempo

No dia em que decidi parar o tempo descobri os parques e o cheiro a terra molhada; bebi um café quente e embaciei o vidro da janela.

Soube logo que a perfeição era uma névoa parecida com a neblina da manhã, que, por vezes, o sol encandeava e que a chuva germinava a terra.

Nesse dia. O dia em que decidi parar o tempo.

Desci a rua sem pressa, respirando cada pedaço de existência remanescente. Os olhos presos no infinito. Passar por tudo, sentir tudo e não ver nada.

Caminhar.